DICAS SOBRE FRANQUIA: COMO COMETER ERROS PRIMÁRIOS COM O FRANCHISING

A CASA DA FRANQUIA identifica os erros mais comuns cometidos pelas franquias e onde é imprescindível acertar.

Administrar uma rede de franquias não é uma tarefa fácil. Para que ela seja sólida e rentável, a performace do franqueador e de cada um dos franqueadores é fundamental. Para que você, franqueador, e você franqueado, saibam onde mora o perigo e possam evitá-lo, e também tenham ciência dos pontos centrais para alcançar o sucesso, a CASA DA FRANQUIA, pontua e justifica cada passo arriscado e promissor que reflete no resultado do negócio.

 

Erros mais comuns que podem dificultar o desempenho do negócio:

 

  1. Criar mais de um modelo para a mesma franquia

Essa atitude é só recomendada depois do amadurecimento do sistema. A flexibilidade dos formatos de negócio deve vir depois, quando a marca já esta consolidada, ao longo do prazo, sob o risco de comprometer o padrão que identifica a bandeira e referencia e rede do mercado. Muitos franqueadores desenvolvem várias formas de expansão para o negócio: loja, quiosque, córner, etc., e modificam os produtos oferecidos nos balcões dependendo do formato do negócio, região ou Estado, sem o amadurecimento necessário.

 

  1. Expandir a todo custo

Vale ressaltar que o crescimento da rede se dar por meio dos bons resultados obtidos pelos franqueados, e não pelo número de lojas. Uma bandeira expande os negócios assegurando rentabilidade a seus novos parceiros. O foco do franqueador deve ser assessorar cada uma das novas como se fosse sua, baseado na experiência adquirida na loja piloto.

 

  1. Vencer franquias sem nunca ter operado lojas próprias

Em sua essência, o sistema de franquia consiste em transferir o know-how obtido com a experiência no mercado a um terceiro. Para isso, além da necessidade da aceitação dos produtos e serviços pelo consumidor é preciso ter a experiência da gestão de negócio no formato de franquia e, claro, também a comprovação da rentabilidade do modelo. Comercializar lojas e unidades virtuais não é vender franquias, mas ideias, um outro tipo de negócio.

 

  1. Considerar a franquia apenas um canal de distribuição de produtos

O sistema de franchising não é um canal de expansão, que visa a comercialização de produtos. Quem considerava o modelo apenas sobre o aspecto da venda de produtos tem uma visão equivocada do negócio. A meta deve ser sempre priorizar a operação das unidades franqueadas e sua rentabilidade.

Esse caminho, pode levar o franqueador a não e empenhar o suficiente no desenvolvimento e na melhoria de novos produtos, ou mesmo a descuidar das tendências do mercado e das necessidades do consumidor.

 

  1. Dimensionar de forma inadequada a estrutura

Com a procura pelo negócio, até por ser uma novidade no mercado, é comum as redes de franquia acharem  que podem abrir unidades no Sul e Norte do País ao mesmo tempo, ou até mesmo unidades internacionais. A CASA DA FRANQUIA entende que a iniciativa exige muita cautela. Sem um plano regional de expansão e uma boa estrutura para apoiá-la, a iniciativa, geralmente, leva a transtornos.

 

  1. Selecionar pela capacidade de recursos financeiros

Outro erro frequente é aprovar um candidato apenas por ele dispor do investimento necessário para o negócio ou por ter o negócio ou por ter o local adequado para a instalação de uma unidade, mesmo identificando que ele não tem perfil para conduzi-la. De fato, não é fácil dizer não a um potencial investidor, mas a atitude, frequentemente, incide em mais um erro da expansão a todo custo.

Para evitar profundos problemas, antes da decisão de aprovar ou não o futuro parceiro, recomendamos que se faça uma análise detalhada do perfil do candidato, como suas ambições e se ele espera ter somente uma unidade e, só de posse das informações, decidir para a melhor alternativa.

 

  1. Delegar e venda das unidades

Para o sucesso de qualquer empreendimento há a necessidade de investimento em marketing e vendas, mas, neste caso, como o público-alvo a ser atingido são candidatos à franquia, delegar a tarefa a corretores inexperientes e sem vivencia mínima no sistema de Franchising de uma forma geral, não é aconselhavel. Eles estão mais interessados na comissão sobre a venda do que na expansão sustentável do negócio. Por isso, caso não escolha a CASA DA FRANQUIA para assumir a venda das unidades, é mais recomendável contratar um profissional com os adjetivos mínimos necessários.

 

  1. Falta na política de território adotada

Fique atento à política de território de dar exclusividade de atuação em determinadas regiões em determinadas regiões. Uma decisão errada pode influenciar negativamente no negócio. Por exemplo, uma política muito flexível, co definição de permissão para atuação de uma unidade em regiões extensas, pode abrir espaço demasiado para a concorrência, tanto de produtos similares como de franquia semelhantes. Daí a importância de uma análise criteriosa de mercado. Se mal realizada, ela pode causar problemas e ela pode causar e prejudicar o crescimento.

 

  1. Não renovar o treinamento, só contrato

Outro erro frequente é renovar o contrato sem avaliar o desempenho da unidade durante a vigência do primeiro contrato, às vezes até ignorando o porquê do investimento ainda não ter sido recuperado. A renovação não garante resultado. É importante a revitalização da parceria. É necessário reciclar os conceitos do franqueado a manter seus programas de treinamento. Ele, seguramente, não tem mais o mesmo perfil do início das operações, quando dependia 100% do franqueador para qualquer passo. É importante investir em treinamento para as próximas fases do negócio.

 

10.Não ver a franquia como um produto

O produto franquia, como qualquer outro, deve ser atualizado, sob risco de se tornar obsoleto. A gestão do negócio deve ser acompanhada de perto, pois, caso os resultados não sejam satisfatórios, dede-se mudar o modo de gerir o negócio.

 


Compartilhe em suas redes sociais: